Boas Festas



A Equipa do Museu Dr. Joaquim Manso deseja umas Boas Festas!

Relembramos que estamos encerrados a 25 de dezembro e a 1 de janeiro. Mas pode-nos visitar em qualquer nos outros dias, durante as suas férias, ou em visita, de terça-feira a domingo, entre as 10h e as 18horas.

Aguardamos a sua visita, ainda em 2014 ou em 2015!

Distribuição dos presentes "Um brinquedo, um amigo feliz"



Hoje de manhã, 23 de dezembro, fomos distribuir os brinquedos recebidos no Museu durante a campanha "Um brinquedo, um amigo feliz!" (ler+ aqui), uma iniciativa comum aos Museus da Direção Regional de Cultura do Centro, que decorreu entre 11 e 22 de dezembro.

Foi com muito alegria que fomos recebidos pelas crianças da "Casinha" - Centro de Acolhimento Temporário para Crianças e Jovens em Risco (da Confraria de Nossa Senhora da Nazaré) e pelo Presidente da Junta de Freguesia da Nazaré / Loja Social da Nazaré

O Museu agradece a todas as pessoas que colaboraram nesta iniciativa solidária e, modestamente, esperamos ter contribuído para fazer um(uns) Amigo(s) MAIS Feliz(es)!

Boas Festas!

Um Brinquedo, um Amigo Feliz!



UM BRINQUEDO, UM AMIGO FELIZ!
Recolha de Brinquedos

Neste Natal, a Direção Regional de Cultura do Centro envolveu os seus Museus numa campanha de recolha de brinquedos para oferecer a crianças mais carenciadas.

Contamos com a sua colaboração!
Entre 11 e 22 de dezembro, entregue os brinquedos no Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré, que distribuiremos junto de instituições de solidariedade social da Nazaré.

Esta campanha é uma oportunidade para sensibilizar o seu espírito de partilha e de entreajuda, que caracteriza esta época natalícia.

1 brinquedo = 1 Entrada

Campanha de 11 a 22 de dezembro

Neste Natal, vem ao Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré, traz um brinquedo e faz um amigo feliz !


Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Sítio | Nazaré
telef. 262562801 | e-mail mjmanso@drcc.pt


Museu Fora de Portas


 
MUSEU FORA DE PORTAS
Abriu no sábado 6 de dezembro, no Palácio da Cidadela de Cascais, a exposição "Frenéticas no Pós-Guerra", uma organização do Museu da Presidência da República e do Museu Nacional do Traje.


Entre as mais de 100 peças e documentos originais que ilustram a década de 1920 em Portugal, encontra-se um guache da coleção do Museu Dr. Joaquim Manso: a pintura de Stuart de Carvalhais, "Senhora de vestido verde", 1924, inv. 81 Pint. (+ informação em http://www.matriznet.dgpc.pt/MatrizNet/Objectos/ObjectosConsultar.aspx?IdReg=287023).


Joaquim Manso (1878-1956), patrono do Museu da Nazaré instalado na sua moradia de veraneio, era próximo destes artistas portugueses, sendo as páginas do jornal que dirigia (“Diário de Lisboa”) o suporte para divulgação de muitas das suas iniciativas e ideias. É através da sua coleção, por doação do filho Pedro Manso Lefèvre em 1977, que este trabalho de Stuart de Carvalhais vem integrar o espólio do Museu da Nazaré, a par de outros trabalhos, deste e de outros artistas desta geração.


Até 8 de fevereiro de 2015, visite o Palácio da Cidadela de Cascais e a exposição "Frenéticas no Pós-Guerra"!


+ informação sobre a exposição aqui.

No dia 3 dezembro foi um dia de "TODOS AO MUSEU"!

  
No dia 3 de dezembro, comemorou-se o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

Com esse propósito, o Museu da Nazaré promoveu a iniciativa “TODOS AO MUSEU”, com as atividades “Com o tacto também se vê: barcos e artes de pesca” e “Pintura às cegas”.


Ler + aqui

"Nazaré Praia de Banhos" na Feira do Livro de Alpiarça

MUSEU FORA DE PORTAS

Estamos presentes na 21ª edição da Feira do Livro de Alpiarça, organizada pela Câmara Municipal de Alpiarça, a decorrer entre os dias 29 de novembro e 8 de dezembro, no Pavilhão do Clube Desportivo “Os Águias”.


A convite deste município, numa secção da Feira do Livro dedicada à Nazaré como Praia de Banhos eleita por tantos habitantes da região de Alpiarça, estão expostos materiais informativos da exposição organizada pelo Museu Dr. Joaquim Manso em 2010, "Nazaré. Memórias de uma Praia de Banhos", assim como o catálogo daí resultante.


Até dia 8 de dezembro, a Nazaré está também em Alpiarça!


3 dezembro | Dia Internacional da Pessoa com Deficiência


TODOS AO MUSEU
3 a 5 de dezembro 2014

Assinalando o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, que se comemora a 3 de dezembro, o Museu Dr. Joaquim Manso propõe duas atividades que visam sensibilizar, por um lado, os jovens para a inclusão e, por outro, tornar o Museu cada vez mais acessível e adaptado a “todos” os públicos. Assim, terão lugar as seguintes iniciativas:

“Com o tacto também se vê. Barcos e artes de pesca”
Visita personalizada à exposição, centrada nas embarcações tradicionais da Nazaré e artes de pesca, seguindo-se uma oficina pedagógica de realização da miniatura de um barco de arte xávega. Em parceria com a CERCINA – Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas.

“Pintura às cegas”
Sendo os museus muito baseados numa abordagem visual de objetos, esta atividade convida à exploração da coleção do Museu, com recurso a outros sentidos que não o da visão.
Com os olhos vendados, os participantes são convidados a explorar uma peça do Museu através do tacto e, posteriormente, a ouvir uma áudio-descrição da mesma. Depois, sem vendas mas na ausência do objeto, representá-lo-ão através do desenho. No final, os trabalhos realizados serão comparados com a obra original e, em grupo, são partilhadas as dificuldades e diferenças quantos aos meios da sua exploração e interpretação.

Através da iniciativa “TODOS AO MUSEU”, o Museu Dr. Joaquim Manso pretende demonstrar a vontade de se adaptar a “todos” os públicos e de assumir a importância de se tornar inclusivo.

3 a 5 dezembro
Inscrição prévia | Telef. 262562801 |mjmanso@drcc.pt
Nº máximo de participantes: 15
Público-alvo: 6 aos 10 anos

Contatos:
Museu Dr. Joaquim Manso | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho
2540-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262 562 801
e-mail: mjmanso@drcc.pt



Tertúlia “Pescando na Praia do Norte. O Corrimão” | 14 novembro 2014



No dia 14 de novembro, integrada nas comemorações do Dia Nacional do Mar, estivemos à conversa sobre a pesca na Praia do Norte e a pesca tradicional com o Corrimão, desenvolvida há muito por parte da comunidade da Nazaré.

A “pesca do corrimão” é uma pesca apeada, feita na praia, apenas favorável quando o mar se encontra agitado, daí ser realizada sobretudo no inverno. Consiste em largar, ao longo do areal, uma linha com múltiplos anzóis, que é arrastada para o largo com a força da rebentação.

Foi uma animada e participativa tertúlia, onde se lembraram com nostalgia os tempos dos "pescadores de barrete" que viam no corrimão a sobrevivência aos penosos dias de inverno, quando não podiam ir ao mar nas suas frágeis embarcações. Tinha que "estar mar" e, depois de horas a trabalhar com o corrimão "como se fosse um acordeão" (António Petinga), pé descalço areia acima para vender o peixe até São Pedro de Moel.

Anos volvidos, o "corrimão" deixou de ser uma arte de pesca reconhecida pela legislação em vigor; e entre o desinteresse dos jovens, o receio pelas pesadas multas e as novas atrações do surf na Praia do Norte,... esta tornou-se numa prática em desaparecimento, à semelhança de tantos outros processos tradicionais de pescar, que sucumbem perante as novas diretivas e tecnologias.

Mas, na sequência de diligências que se vêm tomando nos últimos anos, e conforme conclusão retirada desta tertúlia, pretende-se a sua legalização, atendendo a vários fatores:

- é uma pesca seletiva, pouco expressiva em termos de impacto junto das espécies piscícolas (sobretudo o robalo), sendo o peixe apanhado já graúdo;
- contribui para a limpeza do areal;
- serve sobretudo de ocupação e sustento complementar a pescadores e marítimos reformados, assim se preservando igualmente a identidade cultural da Nazaré e da região no sector das pescas.

Estas e outras questões foram debatidas e analisadas por:

- Lourenço Gorricha (Comandante da Capitania do Porto da Nazaré);
- Carla Maurício (CapMar – Câmara Municipal da Nazaré);
- António Peixe (Professor “Ciências do Mar” na Universidade Sénior da Nazaré);
- Eugénio Couto (mentor de iniciativas para reconhecimento do corrimão)
- pescador António Petinga e Cremilde Barros, a única mulher a pescar ("ao corrico", ou seja, com cana) na Praia do Norte.

Contámos também com a presença de alunos da disciplina de "Ciências do Mar" da Universidade Sénior da Nazaré / Câmara Municipal da Nazaré. 




Esta iniciativa inseriu-se na exposição "Praia do Norte. Com as ondas também se pesca", patente no Museu Dr. Joaquim Manso entre 14 de novembro e 5 de janeiro de 2015 (ler + aqui).

Evocando todos os antigos "corrimoeiros", transcrevemos um excerto de "O Corrimoeiro", do poeta e escritor nazareno José Soares:

"Apertou o ritmo das passadas, atalhando caminho. Um barulho abafado e contínuo veio aos seus ouvidos numa lufada de maresia.
- É capaz de estar mar... Mas à borda é que se vê.
Passou além da Muralha. Atravessou caminho por entre estevas e outra vegetação rasteira. Agora já distinguia o ruído surdo daquele mar comprido, aquela zoada hipnótica do cair pesado e sucessivo das ondas, dominando os espaços da noite.
- Tá mar e não há-de ser pouco. Mas não hei-de poder trabalhar?! A isca é fresca e o aparelho é valente. (...)
A conversar consigo, passou as areias brancas. Parou. Lançou a vista pela escuridão até ao mar. Tudo era espuma até onde os seus olhos noctívagos podiam alcançar. Era demais. Como foi possível que toda a pouca sorte do mundo se juntasse para o destruir? (...)
Lá vinha, de regresso, mais triste do que zangado com a má fortuna, subindo as areias do caminho, a dialogar consigo, a meia voz, para espalhar a solidão, como sempre fazia quando andava ao corrimão. (...)"

Exposição "Praia do Norte. Com as ondas também se pesca"





PRAIA DO NORTE. COM AS ONDAS TAMBÉM SE PESCA
14 novembro de 2014 a 5 de janeiro de 2015

Inaugurando no âmbito das Comemorações do Dia Nacional do Mar (16 novembro), o Museu Dr. Joaquim Manso apresenta uma exposição sobre as técnicas da pesca tradicional na Praia do Norte, nesta altura do ano tão concorrida pelos amantes do Surf.

Fascinando recentemente o mundo inteiro pela “descoberta” das suas grandes ondas, a Praia do Norte é desde há muito conhecida pelos pescadores da Nazaré, que desafiam e exploram a força do mar, suas ondas e marés.

No seu tempo livre, aqui vêm pescar com canas (“roleto”) e o “corrimão”, adoptando também processos como o “corrico”, “aparelho de estacar” e “pescar ao fundo”.

Com a colaboração de pescadores, a exposição aborda as tradições e oralidades em torno desta pesca individual e de subsistência, que garantia a sobrevivência das famílias nazarenas durante o rigor do inverno.



“Para o corrimão é importante haver ondas”. “Tem qu 'tar o mar ruim (…) senão o corrimão não anda, fica ali na borda d'água”.

Na Nazaré, terra de contrastes, sobressaem também diferenças entre as chamadas “Praia” e a “Praia do Norte”. A primeira, a sul do “Farol”, é balnear e turística; a do Norte, mais selvagem e conhecida pelas suas ondas alterosas, convida à prática do Surf.

Mas, as “ondas grandes” são também propícias à pesca. Pelo areal da Praia do Norte, espalham-se marítimos reformados e amadores, desde o “Farol” e Forno d'Orca até à Légua e S. Pedro de Moel.

No seu tempo livre, utilizam as canas de pesca (“roleto”) e o “corrimão”, adoptando também processos de pesca afins – os denominados “corrico”, “aparelho de estacar” e “pescar ao fundo”.

Esta pesca individual destina-se à economia familiar e tem larga tradição na Nazaré. Já em tempos antigos, para sobreviverem no inverno, os nazarenos iam ao corrimão “para apanharem peixe para comer”.

Não reconhecida pela legislação atual devido ao número elevado de anzóis, têm sido dinamizadas ações para a legalização da “pesca do corrimão”, apontada como uma pesca seletiva, que contribui para a limpeza do mar e da praia.

Também as lanchas, com redes de emalhar (“majoeira”), procuram a zona da Praia do Norte para a captura de robalos, sargos, ruivos,...



In Nazaré, land of contrasts, differences also stand out between the "Beach" and the "North Beach."
The first one, southern of the "Lighthouse", is mostly tourist and bathing.
The North Beach is wilder and known for its big waves, calling for surfing. But the "big waves" are also favorable to fishery.
Here, in their free time, fishing lovers and retired fishermen come to fish with rods and traditional devices (as “corrimão”).
This lonely fishing is only for family economy. Already in ancient times, in order to survive the winter, the fishermen used to fish with the “corrimão” to have something to eat.
Actions for its legalization have been streamlined.






14 novembro | Tertúlia "Pescando na Praia do Norte. O Corrimão"



Tertúlia “Pescando na Praia do Norte. O Corrimão”
14 novembro, 15 horas

Integrada nas Comemorações do Dia Nacional do Mar, o Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré organiza uma tertúlia sobre a prática e técnicas da pesca tradicional na Praia do Norte, nesta altura do ano tão concorrida pelos amantes do Surf.


Fascinando recentemente o mundo inteiro pela “descoberta” das suas grandes ondas, a Praia do Norte é desde há muito conhecida pelos pescadores da Nazaré,
que desafiam a força do mar e os segredos dos seus fundos.
A “pesca do corrimão”, aqui praticada, será o tema de conversa, com a presença de pescadores e de várias entidades e especialistas: Lourenço Gorricha (Comandante da Capitania do Porto da Nazaré); Carla Maurício (CapMar – Câmara Municipal da Nazaré); António Peixe (Professor “Ciências do Mar” na Universidade Sénior da Nazaré); Eugénio Couto; António Petinga e Cremilde Barros.


Colaboração: Universidade Sénior da Nazaré / Câmara Municipal da Nazaré.
Entrada livre.

Esta iniciativa insere-se no programa comemorativo do Dia Nacional do Mar e na dinamização da exposição “Praia do Norte. Com as ondas também se pesca”, que estará patente no Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré entre 14 de novembro de 2014 e 5 de janeiro 2015, resultante de entrevistas realizadas pelo Museu sobre a pesca com o “corrimão” e do “corrico” na Praia do Norte.

No domingo, 16 de novembro (Dia Nacional do Mar), o Museu Dr. Joaquim Manso propõe a oficina pedagógica “Estórias do Mardestinada aos mais novos. Em sombras chinesas, vamos descobrir a longa história do mar e segredos que nele estão guardados. Depois, vamos desenhar e construir um “flipbook”, um pequeno livro onde as imagens parecem estar em movimento: um barco que navega nas ondas, uma gaivota que voa ao vento, uma onda que se aproxima do farol, … Esta atividade requer marcação prévia no valor de 1 euro (até dia 14 de novembro).

11 novembro festeje connosco o São Martinho!



FESTEJANDO O SÃO MARTINHO
11 novembro | 10h

Seguindo o ditado popular “no dia de São Martinho vai à adega e prova o teu vinho!”, o Museu Dr. Joaquim Manso organiza uma visita temática ao Museu do Vinho de Alcobaça, onde os testemunhos materiais da herança relativa à produção e consumo do vinho se misturam com as estórias e memórias dos participantes.

Em seguida, de regresso à Nazaré, visita-se a exposiçãoTabernas da Nazaré”, evocando estes espaços tradicionais, hoje por completo desaparecidos da vila e dos seus hábitos de convívio social.

Colaboração:
Universidade Sénior da Nazaré / Câmara Municipal da Nazaré
Museu do Vinho de Alcobaça / Câmara Municipal de Alcobaça.

Marcação prévia. Inscrições limitadas.
Contato para marcação: telef. 262 380 924 (Universidade Sénior da Nazaré)

Exposição "Tabernas da Nazaré"



Exposição "TABERNAS DA NAZARÉ"
1 a 12 novembro de 2014

Associando-se às populares comemorações do Dia de São Martinho, o Museu da Nazaré apresenta uma breve exposição fotográfica sobre as tabernas que animavam o espaço desta vila piscatória.


Da autoria do arquiteto Lança Cordeiro ou do levantamento realizado pelo Museu nos anos 1970, chegam-nos imagens das múltiplas e concorridas tabernas onde os pescadores “matavam o tempo em terra”.
Espaço privilegiado do convívio masculino, aqui se provava o vinho, se estreitavam amizades, ouvia-se o fado ou se praticavam jogos tradicionais.

Em novembro, visite-nos e relembre algumas das tabernas da Nazaré!

500 Anos do Foral Manuelino da Pederneira

1 outubro 2014 | 500 Anos do Foral Manuelino da Pederneira | 1 outubro 1514
 
 
 
 
 
Em outubro, o Museu Dr. Joaquim Manso associa-se às comemorações organizadas pela Câmara Municipal da Nazaré evocativas dos 500 anos do Foral Manuelino da Pederneira, documento que se encontra em depósito pelo Município neste Museu, desde 1976.

Documento de relevo na história e no desenvolvimento do municipalismo local, o Foral foi, no final de 2013, sujeito a uma ação de cuidadosa higienização e tratamento de preservação pelo Arquivo Distrital de Leiria, e encontra-se agora patente no Museu Dr. Joaquim Manso.

Não perca a oportunidade de visitar o Museu e conhecer este documento que nos fala da vida económica e social de 500, das classes sociais, privilégios, direitos e deveres dos seus moradores.

Na antiga “Casa da Câmara da Pederneira”, estará patente ao público uma exposição ilustrativa da efeméride, com fotografias, documentação e outros testemunhos alusivos à antiga vila da Pederneira e à sua evolução ao longo dos séculos, exposição para a qual o Museu Dr. Joaquim Manso colaborou igualmente com a cedência de alguns materiais.
Local: Antiga Casa da Câmara na Pederneira, Nazaré
Data: 1 a 26 outubro 2014

Jornadas Europeias do Património

Estivemos em Festa com as Jornadas Europeias do Património!





No sábado 27 setembro, tivemos um dia em cheio com a “Mostra de Arte Livre. Da Instalação à Poesia”!

As Jornadas Europeias do Património 2014 propõem-nos como tema “Património. ...Outras Descobertas”. E foram muitos os encontros e descobertas que hoje vivemos no Museu da Nazaré!

De manhã, os artistas foram chegando e trazendo os seus trabalhos, em conjunto montado uma exposição ao ar livre.
 
Após uma agradável sardinhada, com o mar da Praia do Norte como cenário, às 15h30 foi a abertura solene do evento, animada pela música da guitarra de SILVINO PAIS DA SILVA.
 
A companhia de teatro “CASA DA MÁQUINA”, entre barcos e panos, apresentaram-nos uma emocionante encenação da obra de Jaime Rocha, “Mulher inclinada com cântaro”!

PEDRO ALVES, do Movimento Arte Livre, apresentou a sua exposição de fanzines e do imenso espólio de cartazes e materiais panfletários, que se dedica a recolher, remontando os mais antigos ao período pré-republicano.
 
Pelo jardim e pelo pavilhão, vários artistas expuseram os seus trabalhos, num curioso diálogo de sensibilidades e linguagens, uns socorrendo-se da pintura sobre tela, outros da linha gráfica sobre papel, outros da instalação, outros ainda da joalharia ou da escultura: Valter Santos, Marco Silva (“Pedaço de Espaço”), José Ramalhal (“O Silêncio da Espera”), Cecília Louraço, Telma Ferreira, Henrique Delgado (“A arte não é para iluminados, é para o homem comum”), Sylvianne, Steve Delgado, Renato, Sofia, Aldina, Isa Duarte Ribeiro, Diogo Alves, entre outros.
Pelas paredes e árvores distribuíam-se frases, cartazes e livros que convocavam a uma compromisso reflexivo com a realidade social e humana.


ANTÓNIO Alves e a sua equipa foram construindo um mural inspirado na Nazaré, escolhendo como motivo figuras masculinas e femininas alando a rede, sobre cenário da Praia e do Promontório. Concluía a composição excertos do poema de Ary dos Santos, “A Pesca”. Mas, a chuva resolveu expressar também a sua força e os trabalhos ficaram por concluir, aguardando outros dias, outro sol…para breve!

Ainda houve tempo para assistir a projeções multimédia e sonoridades por Steve Delgado, da ANAZART – Associação Nazarena de Artes Plásticas.


Para concluir o programa, no domingo, 28 de setembro, também os mais "pequenos" tiveram uma... atividade só a pensar neles...
Após a visita ao Museu, centrada nas características do Traje Tradicional da Nazaré, foi tempo de vestir pequenos modelos com peças do traje, na sua versão de trabalho ou de festa.
E todos ficaram a saber "Como se veste a Nazaré"!
 
A todos aqueles que nos visitaram e que estiverem connosco, o Museu Dr. Joaquim Manso deixa o seu agradecimento!


Este evento teve o APOIO de: Luís Silvério & Filhos SA; Padaria “Da Ilda”; Quinta do Gradil e Zé Manel dos Bolos.
Os nossos agradecimentos!

26 a 28 setembro | Jornadas Europeias do Património



























JORNADAS Europeias do Património 2014
Museu Dr. Joaquim Manso | Nazaré



26 SETEMBRO | sexta-feira
Visita guiada ao Museu Dr. Joaquim Manso, sob a temática “Dos Rostos às Vivências da Pesca”.
Público-alvo: adulto
11h e 15h30





27 SETEMBRO | sábado
“DA INSTALAÇÃO À POESIA”
15 horas

Convidando a “outras descobertas” sobre o Património, gerando interações com as suas coleções e exposição permanente representativa da cultura do Mar, o Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré comemora as Jornadas Europeias do Património 2014 com uma “Mostra de Arte Livre”.

No jardim, estarão em exposição obras de vários artistas do Movimento Arte Livre, grupo que convida à expressão pela arte, individual e espontânea. Intervenções de outros artistas juntam-se também a esta “festa artística” em torno do Património, que contará ainda com momentos de animação musical, de expressão dramática e poesia.

15 horas – Abertura com momento musical por Silvino Pais da Silva
Inauguração da exposição com visita realizada pelos artistas, seguindo-se momentos de expressão plástica e dramática, declamação de poesia e leitura de excertos literários. 


Leitura encenada do texto “Mulher inclinada com Cântaro”, de Jaime Rocha, pelo TEATRO CASA DA MÁQUINA, uma jovem companhia teatral nascida na Nazaré, em 2013, tendo-se estreado com o espetáculo “Bastião Fernandes – o Nazareno que acompanhou Vasco da Gama”, e que desde então tem trabalhado em diversas vertentes, desde Teatro, Teatro Didático ao Ensino de expressão dramática, Teatro de Rua, etc., apresentado espectáculos em diversos espaços e festivais nacionais.

17h30 – Encerramento com intervenção da ANAZART – Associação Nazarena de Artes Plásticas.

Esta iniciativa conta com a colaboração:
Movimento Arte Livre e ANAZART – Associação Nazarena de Artes Plásticas.

Com o apoio:
Padaria “Da Ilda”, Goanvi – Quinta do Gradil e Luís Silvério & Filhos, SA.

Entrada gratuita.




28 SETEMBRO | domingo

Visita guiada ao Museu Dr. Joaquim Manso, sob a temática “Dos Rostos às Vivências da Pesca”.
Público-alvo: adulto
11h e 15h30

 

















Atividade "Como se veste a Nazaré?"
Público-alvo: 5-10 anos 
11h30 e 15h

Após a visita ao Museu centrada nas características do Traje Tradicional da Nazaré, todas as crianças são convidadas a vestir pequenos modelos com peças do traje, na sua versão de trabalho ou de festa. Será que vão conseguir vestir tantas saias? E descobrir quem usa as camisolas de escocês?
Participação gratuita.



As Jornadas Europeias do Património comemoram-se nos dias 26, 27 e 28 de setembro de 2014, estando o programa a nível nacional disponível para consulta na plataforma on-line da Direção Geral do Património Cultura (DGPC).
A Direcção Regional da Cultura do Centro também se associou a esta iniciativa, com uma programação variada nos museus que lhe foram afectos desde 2012 (Mosteiro de Santa Clara –a Velha em Coimbra, Museu de Aveiro, Museu Francisco Tavares Proença Júnior em Castelo Branco, Museu da Guarda, Museu José Malhoa e Museu da Cerâmica nas Caldas da Rainha e o Museu Dr. Joaquim Manso na Nazaré).

Venha connosco comemorar as Jornadas Europeias do Património – “Património, sempre uma descoberta”! 

Prolongamento da Exposição




























A exposição "Rostos da Nazaré. Imagem de Gisela e Antti Särkilahti" será prolongada até dia 28 de setembro, assim correspondendo à grande recetividade do público, que com agrado e interesse nos tem visitado neste verão.

Até 28 de setembro, se ainda não nos visitou, estaremos à sua espera, para descobrir os "Rostos da Nazaré"!

Mais informação sobre esta exposição (aqui).



Recolha de Livros Escolares no Museu da Nazaré



Recolha de Livros Escolares no Museu da Nazaré 
de 1 de agosto a 30 de setembro

Aproxima-se um novo ano letivo, contribua com Livros Escolares!
Com a crise atual, o Museu da Nazaré abre as portas para receber e encaminhar livros escolares e outros a quem mais precisa, numa iniciativa comum aos museus da Direção-Regional de Cultura do Centro.


Entregue-nos material escolar durante os meses de agosto e setembro e nós procederemos à posterior entrega junto de instituições de apoio social.

Museu Dr. Joaquim Manso | Rua D. Fuas Roupinho - Sítio 2450-065 Nazaré
Telf. 262 562 802 | mjmanso@drcc.pt



6 agosto | cinema à noite











































"7ª ARTE PARA 7 SAIAS CURTAS"
6 agosto, 21h30

No jardim do Museu Dr. Joaquim Manso, animando as noites agradáveis de verão, apresentaremos uma mostra de curtas metragens, sob o tema “Nazaré”, da autoria de Silvino Espalha. 

Evento com a colaboração da ANAZART – Associação Nazarena de Artes Plásticas.

Entrada gratuita.


Exposição "Rostos da Nazaré"

Entre 11 de julho e 14 de setembro, venha descobrir os "Rostos da Nazaré" pela fotografia de Gisela e Antti Särkilahti.

Mais informação aqui (clique).


Museu está presente na Feira do Livro

O Museu Dr. Joaquim Manso tem o prazer de se associar à 39ª Feira do Livro, organizada há 40 anos pela Biblioteca Nazaré.

Entre 25 de julho e 17 de agosto, passe pelo Centro Cultural da Nazaré, compre um (ou mais livros), assista aos debates e ao interessante programa cultural.

No dia 5 de agosto, estaremos a dinamizar a atividade "Dá Cor à tua flor", a partir do conto de Alves Redol "A Flor vai ver o Mar".

Participe!

Dia dos Avós no Museu da Nazaré





























No âmbito da comemoração do Dia dos Avós, a 26 de julho, os avós que visitarem o Museu Dr. Joaquim Manso com os seus netos terão entrada gratuita.

No sábado 26 de julho, todos os avós têm mais um motivo para passar um dia animado com os netos, vir à Nazaré, conhecer as suas ruas e património, ir à praia e visitar o Museu da Nazaré!

Museu Dr. Joaquim Manso | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho 2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262562801 | mjmanso@drcc.pt


Horário de abertura:
terça-feira a domingo, 10h às 19h

Percurso "Lenda & História", às quintas-feiras

O Museu Dr. Joaquim Manso integra o percurso "Lenda & História", dinamizado no âmbito da Bandeira Azul / Município Nazaré.
Todas as quintas-feiras, de manhã, em julho e agosto.

Um VERÃO de praia, património e cultura, na Nazaré!


Inauguração da exposição "Rostos da Nazaré"














11 julho, 16 horas

Inauguração da exposição “Rostos da Nazaré. Fotografia de Gisela e Antti Särkilahti”

Com a presença dos autores.
Animação com estátua viva, por Nelson Rodrigues.
Momento musical com Abílio Caseiro e Abílio Ferro.

Apareça!

Mais informação sobre esta exposição.


Exposição "Rostos da Nazaré"



Exposição
“Rostos da Nazaré. Fotografia de Gisela e Antti Särkilahti”


Calendarização: 11 julho a 14 setembro 2014

A Nazaré, desde cedo, habituou-se à curiosidade de fotógrafos nacionais e estrangeiros que, de câmara ao peito, nos meados do século XX, acorriam a esta vila piscatória, atraídos pelas paisagens, pela faina tradicional, mas, sobretudo, pelos homens e mulheres que davam cor e vida às estreitas ruas do povoado à beira-mar. Rostos de grupo ou individuais, ampliados em primeiro plano, vincados pelo sol e maresia; expressões de alegria, esforço ou ansiedade; caras singulares que todos reconhecem ou rostos anónimos tornados símbolos da comunidade.

Anos volvidos, os barcos desapareceram da praia, a pesca é remetida para o Porto de Abrigo. Mas as gentes continuam, nas ruas, na praia, … e continuam a atrair o olhar de turistas e dos apaixonados pela fotografia.

Gisela e Antti Särkilahti, de origem alemã e finlandesa, fixaram-se nos últimos anos na Nazaré, seduzidos por estas gentes acolhedoras.

São fotografias da sua autoria que apresentamos nesta exposição, produzida com o seu total apoio. Nelas, desfilam rostos atuais da Nazaré, selecionados pela estética ou pela força da expressão, outros pelas marcas que o passado marítimo imprimiu, outros pela modernidade que a juventude aponta, uns ainda por outras identidades através das quais a Nazaré se reinventa...

Esta multiplicidade de rostos, formada por um mosaico de individualidades, espelha uma identidade socio-cultural sempre marcada pelo Mar.
Neste verão, visite-nos!
No Museu Dr. Joaquim Manso, pelas ruas ou na praia, descubra os “Rostos da Nazaré”.



Museu Dr. Joaquim Manso | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho 2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262562801 | mjmanso@drcc.pt
http://mdjm-nazare.blogspot.com

Horário de abertura:
terça-feira a domingo, 10h às 19h


Workshop de Arte com Fibrila Celulósica



Workshop 
Mostra de arte reciclada com Fibrila Celulósica
pela artista plástica Zaza Jardim

No dia 2 de julho, o Museu Dr. Joaquim Manso promoverá uma mostra de arte em reciclagem natural.
O workshop será dinamizado pela artista plástica Zaza Jardim, que explicará a sua arte com fibrila celulósica, incluindo jornais, livros e outros materiais, e a sua pesquisa sobre pigmentos minerais portugueses.

O público poderá conhecer diversas obras, com técnicas diferenciadas, e dialogar com a artista sobre as suas descobertas.

Zaza Jardim é uma artista brasileira que adotou Portugal desde 2013, percorrendo diversas cidades do nosso país, incluindo a Nazaré.
Durante este inverno, realizou a catalogação de mais de 35 tons de pigmentos minerais de Portugal e, com este estudo, criou o “pergaminho BIO”, papel feito em reciclagem apurada com os pigmentos portugueses, fazendo nascer o “Contador de Sonhos”.

Zaza já apresentou mais de 60 exposições no Brasil, França e Finlândia, sendo três delas realizadas em locais como o Carrousel do Louvre (Paris), o Chartrier Ferriere e Collonges la Rouge (sul de França), onde foi considerada oficialmente BIO.
Em fevereiro de 2014, realizou uma exposição na Nazaré, vila pela qual se encantou, e desenvolveu o documento artístico sobre o qual irá dialogar com a comunidade local no dia 2 de julho.

Uma oportunidade de conhecer melhor a arte da reciclagem e de como esta prática pode ajudar a cuidar do planeta.
Participação gratuita, no jardim do Museu Dr. Joaquim Manso.
Vagas limitadas, reserve já a sua!

Museu Dr. Joaquim Manso | 2 julho, sessões às 11h e às 15h


Contatos:
Museu Dr. Joaquim Manso | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262562802 | mjmanso@drcc.pt

Exposição “Nazaré. Quem não Rema já Remou”



Exposição “Nazaré. Quem não Rema já Remou”

Inaugurando a 23 de junho, e até 28 de setembro, o Museu Dr. Joaquim Manso apresenta no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, a exposição “Nazaré. Quem não rema já remou”.
Na Nazaré, “quem não rema já remou” é uma expressão que demonstra que, de uma maneira ou de outra, há sempre alguém na família ligada ao mar.

Embarcações e traje tradicionais são símbolos dessa proximidade marítima, essencial para uma pequena vila piscatória do Centro de Portugal.

Tradição e memória são traços de uma identidade, sobre a qual a Nazaré continua a viver e que tanto atraiu (e atrai) artistas, escritores, turistas e gentes de todo o mundo. Procuram a singularidade desta comunidade que, agora aberta ao turismo, à época balnear e ao surf, permanece, no entanto, fiel a hábitos de convívio social muito próprios, com a rua e a praia como palcos e uma paisagem única, onde “o mar é o eterno protagonista”!

Uma seleção de embarcações (miniaturas), fotografia de Álvaro Laborinho, desenho de Abílio de Mattos e Silva e traje de festa e de trabalho, levam o mar até ao Museu de Castelo Branco, convidando também aquela cidade do interior a visitar a Nazaré e o Museu Dr. Joaquim Manso.

Esta é uma exposição organizada no âmbito da itinerância entre os museus da Direção Regional de Cultura do Centro.




Exposição “Nazaré. Quem não rema já remou”

Calendarização: 23 de junho a 28 de setembro
Local: Museu Francisco Tavares Proença Júnior | Direção Regional de Cultural do Centro
Largo Dr. José Lopes Dias - 6000-462 Castelo Branco






Exposição “O mar na cerâmica das Caldas”












































Exposição “O mar na cerâmica das Caldas”
6 junho a 6 julho
Colaboração: Museu de Cerâmica (Caldas da Rainha)
Local: Museu Dr. Joaquim Manso

Abre no dia 6 de junho, no Museu da Nazaré, a exposição “O mar na cerâmica das Caldas”.
Esta exposição evidencia a utilização criativa de motivos ligados ao mar na decoração da reconhecida cerâmica das Caldas da Rainha, a partir de uma seleção de peças da coleção do Museu da Cerâmica.

Esta é uma parceria entre “Museus no Centro”, da Direção Regional de Cultura do Centro.

Encerramento do projeto "Do que falam elas?"




No dia 4 de junho, decorreu a sessão de encerramento do projeto "Do que falam elas? Conversas à volta das fotografias" (ler + aqui), no auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré. 

No ano letivo de 2013/2014, decorreu quinzenalmente o projeto “Do que falam elas? Conversas à volta das fotografias”, conversas informais em torno de uma seleção temática de fotografias do acervo do Museu Dr. Joaquim Manso e da Biblioteca Municipal da Nazaré / Imagoteca, com a colaboração da turma de “Viver a Nazaré”, da Universidade Sénior da Nazaré.

Foram vários os temas abordados.
Muitas memórias e conhecimentos recolhidos, fundamentais para enriquecer o inventário fotográfico do Museu Dr. Joaquim Manso e, assim, prestar melhor serviço junto da comunidade.
Contou-se, também, com a presença de algumas figuras, protagonistas ou mais próximas dos assuntos tratados e que muito contribuíram para a dinamização do diálogo. Regista-se, também, o empenho e a vivacidade da participação dos alunos, da professora Ana Hilário e da equipa do Museu que, mais de perto, colaborou nesta iniciativa, todos construindo um projecto comum.

Referenciaram-se os temas:
1. Ondas da Nazaré - 18 novembro 2013
Com a presença de Zé Baptista, fotógrafo amador da Nazaré, e da jornalista da RDP que fez a cobertura do evento.

2. A venda do peixe: a lota – 2 dezembro 2013
Documentou-se a evolução do tipo de venda e mercado de peixe, desde a lota na praia, ao edifício na av. Manuel Remígio dos anos 1950, à actual lota, no porto de abrigo.

3. A Fábrica de Conservas de Peixe – 16 dezembro 2013
Contou-se com a participação de Adalcina Robalo, Olívia Robalo, Maria Antónia, Maria Hermínia e Maria Virgínia, antigas trabalhadoras na unidade da Fábrica “Algarve Exportador” na Nazaré.

4. Trajo Tradicional da Nazaré – 13 janeiro 2014
Várias fotografias ilustraram a maneira de vestir na Nazaré, de ontem e de hoje. Fotografias de estúdio e de exterior foram motivo de diálogo e de comparação entre tipos de traje e de calçado.

5. Lavar e secar a roupa – 27 janeiro 2014
As imagens apresentadas, sobretudo de Valado dos Frades, serviram de pretexto para se falar do “ir ao Rio”, “fazer o cargo”, locais de lavagem, tipo de sabão e alguidares, até à forma de secar a roupa, nos campos à volta do rio, entre os barcos no areal ou em casa, na janela e nos pátios.

6. Brincadeiras infantis – 10 fevereiro 2014
Referiram-se os vários tipos de brincadeiras, desde as realizadas na praia, no verão, especialmente pelos veraneantes; às mais comuns entre os nazarenos, como o jogo do monte, do lenço, do arco e ganchêta, carrinhos de rolamentos, às “prendas” (“Babona que estás no meio/ babona/...”), às cozinhas – com fogareirinhos de barro e a fazer bolos de areia molhada.

7. Carnaval – 24 fevereiro 2014
Um das principais festividades da Nazaré, muito vivida pela comunidade, cuja discussão contou com a presença do Rei de Carnaval 2014.

8. Bombeiros Voluntários da Nazaré – 10 março 2014
A análise das imagens foi enriquecida pelos comentários do atual Comandante e do Presidente da Direção dos Bombeiros Voluntários da Nazaré, João Paulo Estrelinha e Joaquim Morais.

9. Bairro dos Pescadores e Pátios da Nazaré – 24 março 2014
Esteve presente João Delgado, representante da Mútua dos Pescadores na Nazaré, que muito contribuíu para o conhecimento do Bairro dos Pescadores, construído na década de 1940/1950, desempenhando uma importante função social na comunidade local.

10. A Escola e o ensino na Nazaré – 28 abril 2014
Com a presença da antiga professora Beatriz Quadrado, falou-se do ensino na Nazaré, das velhas escolas “do Jardim”, da Pederneira e das Escolas Novas.

11. Festa do Homem do Mar – 5 maio 2014
No dia a seguir à “Festa do Homem do Mar”, em 2014 celebrada em 4 de maio, esta sessão contou com a presença de Joaquim Piló, membro da comissão das festas do Homem do Mar.

12. Danças e ranchos folclóricos da Nazaré – 26 maio 2014

No espaço da exposição “Como se veste a Nazaré? A Tradição hoje”, no Centro Cultural da Nazaré, referiram-se os vários ranchos folclóricos, desde o Rancho Infantil da Casa dos Pescadores, ao Tá-Mar, Mar-Alto, Velha Guarda, Danças e Cantares da Nazaré e Flores do Campo.



POEMA especialmente escrito por Joaquim do Carmo para o encerramento do projeto:

"O que dizem elas à volta das fotografias"

Da boa cooperação
Hoje é o último dia
Entre a Universidade e o Museu
À volta da fotografia

Foi uma ideia sadia
Recordar nosso passado
Recordar com alegria
O que nos foi apresentado

Comentaram-se trajes e jogos
As lotas e as conservas
Os barcos da Nazaré
Quando éramos crianças
Agora que somos idosos
Não nos faltará a fé
Mantemos as esperanças.

Nazaré 02/06/2014 «Jotacê» - Joaquim do Carmo